top of page
  • Foto do escritorAGCom

Unidades básicas de saúde de Macapá ofertam gratuitamente assistência psicológica


As 22 UBS do município já estão capacitadas para oferecer serviços de saúde mental para a população.


Por Isadora Carneiro


O atendimento com psicólogo ocorre de forma presencial e não há necessidade passar por consulta médica. Fonte: Renato Costa / SEMSA

Nos últimos anos houve aumento na procura por assistência e atendimento psicológico em Macapá. A rede pública municipal, que contava com apenas 5 Unidades Básicas de Saúde (UBS) em 2021 com atendimento em saúde mental, teve que ampliar a oferta para as 22 unidades do município.


Segundo a Coordenação de Saúde Mental da Secretaria Municipal de Saúde de Macapá, devido ao aumento da procura pela população, mesmo com a ampliação do serviço, a agenda dos profissionais de psicologia que atendem nas UBS está sempre cheia.


Uma pesquisa realizada em 2022 pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) aponta que 86% dos brasileiros sofrem com algum transtorno mental, predominantemente ansiedade e depressão. O número teve um aumento após a pandemia, quando as pessoas tiveram que lidar com a perda de inúmeros entes queridos.


Em Macapá, conforme o setor de Saúde Mental do município, as principais demandas atendidas nas unidades de saúde são de pacientes que apresentam sintomas depressivos, ansiedade, comportamento suicida e processo de luto. A coordenadora de Saúde Mental de Macapá, Luana Nunes, destaca que houve um aumento na procura por jovens com idades entre 14 e 29 anos, com a predominância do público feminino.


Um desses jovens que procurou assistência psicológica foi Diego Melo, 21 anos, que decidiu procurar ajuda profissional após crises de ansiedade intensas. Ele se sentia sobrecarregado e inquieto o tempo inteiro, e possuía muita dificuldade para dormir. O jovem relata que já apresentava sintomas desde muito novo, porém a situação agravou após o perder a tia que o criou para a Covid-19.


“Depois da morte da minha tia, eu fiquei em uma situação horrível, não dormia e minhas mãos estavam sempre tremendo. Não tinha dinheiro pra ir atrás de um psicólogo particular, mas eu sabia que precisava muito. Admito que tava com medo de como seria o atendimento psicológico na UBS, mas agora, nem gosto de imaginar como seria se eu não tivesse procurado ajuda. Foi extremamente essencial mim”, garante.


Os atendimentos são realizados de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h. Fonte Isadora Carneiro / Jornalismo Unifap.

A jovem autônoma Nala Ribeiro, 25 anos, também procurou na UBS do bairro Muca, onde mora, após sofrer crises depressivas. “Eu mudei de cidade há pouco tempo. Eu morava em Laranjal do Jari, não tenho família aqui em Macapá e me sinto muito sozinha. É muito difícil lidar com a solidão e se adaptar a um novo ambiente. Descobri esse atendimento psicológico no Instagram, vi que tinha o nome de uma unidade que é bem próxima a minha casa e que realizava esse atendimento, então decidi passar lá pra agendar minha consulta”, relata.


A psicóloga e coordenadora de Saúde Mental de Macapá, Luana Nunes, destaca que a saúde mental é um cuidado integral com todo o corpo. “Não existe saúde sem saúde mental. O cuidado com a saúde deve ser integral, por entendermos a saúde como algo integral, quando se cuida do aspecto psicológico do corpo, automaticamente estamos cuidando do restante”.


Mesmo sabendo da importância da saúde mental e de todas as informações que se divulgam hoje sobre o assunto, existe um tabu que se perpetua pelos estigmas associados a busca de um profissional dessa área. “Por exemplo, que quem vai ao psicólogo ou psiquiatra é louco. São frases que reforçam estereótipos e prejudicam na adesão a busca do cuidado’', ressalta.


Para aqueles que precisam de atendimento e sentem vergonha ou medo em procurar ajuda, a coordenadora informa que eles podem procurar qualquer Unidade Básica de Saúde do munícipio para agendar consultas com profissionais da psicologia.


Este serviço encontra-se disponível de forma presencial e não há necessidade passar por consulta com médico. Basta procurar o Serviço de Arquivo Médico e Estatístico (Same), de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, apresentando documento de identidade, cartão do SUS e comprovante de residência. Nas unidades de atendimento emergencial, o agendamento não é necessário. Veja onde procurar atendimento:



É possível também encontrar assistência por meio do Centro de Valorização da Vida (CVV), ligando no número 188 ou acessando o site da instituição clicando aqui. O CVV é uma associação civil sem fins lucrativos, filantrópica, reconhecida como de Utilidade Pública Federal, desde 1973. São prestados serviços voluntários e gratuitos de apoio emocional e prevenção do suicídio para todas as pessoas. Os atendimentos são sigilosos e anônimos.


*Reportagem produzida na disciplina de Webjornalismo ministrada pelo professor Alan Milhomem

0 comentário

Comments


bottom of page