top of page

Dançando e vencendo a depressão

Mulheres recuperam autoestima e saúde mental por meio de projeto de dança


Por Cássia Lima


Foto: Aydano Fonseca


A preparadora física Benedita Bahia sempre trabalhou ajudando outras mulheres a conseguir uma qualidade de vida. Mas nos últimos anos ela precisou de ajuda e conseguiu vencer a depressão por meio do projeto Ritmos Livres, coordenado pela vice-prefeitura de Macapá. Dançando ela venceu a depressão.


Benedita conta que a depressão chegou em sua vida alguns anos atrás após a perda de seu pai, com quem era muito apegada. Infelizmente, ela não conseguiu administrar bem a perda e com a correria do dia a dia ficou abatida até ser diagnosticada com a doença. Passou por tratamento, mas encontrou a “cura” por meio da dança.

“Eu sempre trabalhei com exercícios físicos, mas foi na dança, por meio desse projeto, que minha autoestima melhorou, encontrei e fiz amigas, além de fortalecer minha autoestima”, conta ela.


Benedita Bahia declara: “Venci a depressão dançando” Foto: Aydano Fonseca


A profissional frequenta o polo do projeto que funciona na Escola Municipal Antônio Barbosa, no bairro do Santa Inês. Foi nas aulas que ela começou a focar em outras metas e acabou vencendo a doença.

O polo me acolheu, me ajudou muito na minha saúde mental com amizades, a prática de exercícios por meio da dança e amizades. Posso dizer hoje que venci a depressão dançando”, destacou.

Benedita não foi a única que o projeto ajudou, Alcilene da Silva Barreto, 56 anos, também conta a diferença que o projeto fez e faz em sua vida. Ela é aluna desde 2021 e frequenta o polo do projeto localizado no Distrito da Fazendinha.


Alcilene frequenta o projeto Ritmos Livres. Foto: Aydano Fonseca


Eu sempre pratiquei esportes, mas quando soube da dança fui atrás porque queria saber dançar. Graças a Deus é tudo gratuito e me ajudou muito na minha autoestima e no cuidado com meu próprio corpo”, enfatizou Alcilene.


Essas e outras mulheres também participaram de um aulão solidário promovido pela Prefeitura de Macapá. Na oportunidade, tiveram orientações sobre o câncer de mama e colo do útero, dicas para saúde da mulher, orientações nutricionais e fisioterapêuticas.

Para o instrutor de dança profissional há 18 anos, Marcinho Dance Fit, a prática de exercício físico por meio da dança é ideal para quem não gosta de levantar peso na academia ou mesmo de atividades de alta intensidade.


A dança te ajuda muito no condicionamento físico, na melhoria da disposição, melhoria no humor, sono melhor, autoestima e no sistema cardiorrespiratório. Essas aulas são verdadeiras sessões de terapia”, enfatizou o professor.


Professor destaca a importância da dança para o corpo. Foto: Aydano Fonseca


Os aulões fazem parte dos novos projetos da vice-prefeitura e coordenados pela vice-prefeita, Mônica Penha, e incluem novas ações para 2023, que buscam promover mais qualidade de vida para os macapaenses.


Nas aulas semanais nos polos são apresentadas várias modalidades de dança, entre elas: FitDance, Move Dance, Dance To Dance e Lamba Aeróbica. Os exercícios trabalham a circulação respiratória, queima de gordura localizada, postura, coordenação motora, fortalecimento muscular de glúteos e pernas.


Esse projeto funciona gratuitamente com aulas semanais em quatro polos da capital. Atendemos hoje mais de 200 pessoas com as aulas e acompanhamento nutricional e agora estamos iniciando a fisioterapia também. Esse projeto busca promover saúde e autoestima a nossa população, principalmente, as mulheres”, frisou a vice-prefeita Mônica Penha.


Vice-Prefeita de Macapá, Mônica Penha coordena o projeto que atende mais de 200 pessoas na capital. Foto: Aydano Fonseca


Projeto Ritmos Livres


Atualmente, o projeto possui quatro polos em Macapá. As atividades funcionam nos dias de segundas e quartas, ou nas terças e quintas, dependendo de cada núcleo. Cada polo tem seus monitores e em média 100 alunos, entre mulheres, adolescentes e homens, participam das atividades, que são gratuitas.


O polo no CEU das Artes fica localizado no bairro Infraero II e funciona nos dias de segunda e quarta-feira, das 17h30 às 18h30.

O núcleo localizado na Escola Municipal Antônio Barbosa, no bairro do Santa Inês, funciona nos dias de segunda e quarta, de 18h30 às 19h30.

Tem atividade também no CEU das Artes da Zona Sul, localizado na Av. Ivaldo Veras, no Jardim Marco Zero. As aulas por lá são nos dias de terça e quinta, de 17h30 às 18h30.

Outro núcleo é localizado no Distrito da Fazendinha, na Escola Municipal Cacilda Vasconcelos, com aulas às terças e quintas, de 17h30 às 18h30.


O projeto possui 4 polos em Macapá com aulas gratuitas, Foto: Aydano Fonseca


Para participar do projeto, basta procurar o polo mais próximo da sua casa e falar com o monitor do local. Ele lhe dará orientações sobre as atividades e ações oferecidas. Todo o atendimento é gratuito.


0 comentário
bottom of page