top of page
  • Foto do escritorAGCom

Projeto ‘Peixinhos Voadores’ estimula o esporte e auxilia na formação de crianças e adolescentes

Atualizado: 4 de jun.

Iniciativa existe há mais de 20 anos e é fruto de parceria entre a Polícia Militar do Amapá e o professor Mota.


Por Beatriz Viegas e Josiagab Oliveira


Em todo o país são realizados projetos sociais direcionados a crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social. Essas iniciativas, além de ofertarem atividades físicas, também ensinam valores como respeito, honestidade, companheirismo, responsabilidade, pontualidade e disciplina, atributos que, cumulativamente, vão contribuir para a formação do caráter cidadão de crianças e adolescentes.


No Amapá, a Polícia Militar é uma das instituições com mais projetos sociais ofertados a esse público. Ao todo são 35 projetos voltados ao eixo esportivo (basquete, futsal, futebol de campo, jiu jitsu, luta grego romana e natação) e inclusão digital (informática), que são ofertados gratuitamente para a comunidade.


Um dos mais conhecidos e antigos é o "Peixinhos Voadores”, criado em 19 de abril de 2002, fruto de uma parceria entre a Polícia Militar do Amapá e o professor Sebastião das Graças Mota Silva - popularmente conhecido como Prof. Mota, colecionador de vitórias em diversos campeonatos ao longo de sua carreira como nadador. Agora ele se dedica a ensinar natação para crianças e adolescentes de 4 a 17 anos.


Sebastião das Graças Mota e Silva, professor do projeto “Peixinhos Voadores”. Foto: Josiagab Oliveira

De acordo com o professor, além da natação, também são ensinados valores como disciplina, honestidade e igualdade social. “A gente evita que a criança siga outro caminho, praticando esportes ela começa a gostar. Aqui não tem diferença de classe social, todo mundo é igual. Essa é a vantagem do esporte”, disse o professor.


A natação, por ser um dos esportes mais completos tanto para o corpo quanto para a mente, é indicado por médicos especialistas como terapia de apoio a tratamentos fisioterápicos, como problemas musculares, respiratórios, entre outros. Como é o caso do Diego Silva, que há alguns anos participou do projeto com a finalidade de tratar asma, doença respiratória que acomete os pulmões.

Diego da Silva foi aluno do projeto para tratar asma e ficou curado. Foto: Josiagab Oliveira

Conheci o projeto através da minha irmã, que já trabalha no quartel, e me indicou o projeto “Peixinhos Voadores”. Lá foi onde vim tratar minha asma de forma natural. Pensei que ia só amenizar os sintomas, não sabia que eu ia ser curado através da natação. Hoje não tenho mais crise, hoje estou curado”, conta.


Esse ano, a Escola Desportiva Peixinhos Voadores completou 21 anos de atividades prestadas à sociedade e, durante todo esse tempo, já atendeu mais de 16 mil alunos em Macapá, Santana e Mazagão. Atualmente, de acordo com o professor Mota, mais de 700 crianças e adolescentes fazem parte do projeto.


“Só tenho a agradecer o projeto, tudo de bom. Minha filha melhorou no desenvolvimento escolar, não está mais preguiçosa, não fica mais travada na frente da televisão e do telefone. Só tenho a agradecer. Enquanto puder irei trazer ela para participar e, quem sabe no futuro, ela seja uma colaboradora deles”, disse Aldenora Rodrigues, mãe da pequena Angelina Rodrigues, de 9 anos.


À esquerda Aldenora mãe de Angelina à direita. Foto: Josiagab Oliveira


O projeto também tem ajudado crianças com autismo. “Nós temos muitos autistas, percebi que a natação faz com que a criança se torne calma e relaxe. Ela chega aqui gritando e depois que começa a se adaptar na água, muda completamente o comportamento”, complementa Mota.


A seleção de alunos para o projeto é feita de forma semestral e quando ocorre carência. As inscrições são realizadas, presencialmente, no Quartel do Comando Geral da Polícia Militar e cada seleção oferta 80 vagas para crianças e adolescentes de 4 a 17 anos.



0 comentário
bottom of page