top of page
  • Foto do escritorAGCom

Moradores da Casa do Estudante da Unifap cobram auxílios anunciados e reforço na segurança

Atualizado: 8 de ago. de 2023

O prédio foi inaugurado e entregue aos estudantes em julho, após 10 anos do início das obras.


Por Gabrielly Mourão, Léo Nilo e Lucas Gabriel*

A Casa do Estudante Universitário tem capacidade para abrigar 60 moradores. Foto: Paulo Rafael.

A Casa do Estudante Universitário (CEU) Lua Carolina Costa de Oliveira foi inaugurada em julho deste ano, após 10 anos desde o início das obras. No entanto, o que começou como um sonho para diversos alunos da Universidade Federal do Amapá (Unifap), logo se transformou em um novo desafio. De acordo com moradores, os auxílios previstos no edital para aquisição de equipamentos eletrônicos e pacotes de internet ainda não foram pagos, até o início de agosto, para todos os estudantes. Além disso, a rotina no espaço é insegura e inacessível.


O estudante de Jornalismo Paulo Rafael, 21 anos, é um dos residentes da Casa do Estudante que se surpreendeu com as dificuldades da moradia. De acordo com o discente, nem tudo foi entregue como desejado e que a casa deixa diversos pontos a desejar.

“A casa tem diversos problemas, como os vazamentos e a falta de segurança que sentimos, tanto na casa quanto no caminho que temos que percorrer até a universidade. A bicicleta que foi entregue é pequena para os alunos e é apenas uma bicicleta por quarto, o que dificulta. Um dos principais problemas também é a fiação, que está velha, e por isso não podemos colocar um ar-condicionado, e acabamos tendo que lidar com o calor intenso que é aqui”, relata o morador.


O estudante conta ainda que a maior preocupação dos moradores é a segurança. O espaço é protegido por um vigia da vigilância patrimonial, no entanto, a localização do imóvel e a falta de iluminação no trajeto até a Unifap deixam os estudantes vulneráveis.


Para Aila Viega, participante do coletivo Juventude Manifesta, as atuais dificuldades

enfrentadas pelos moradores da Casa do Estudante não diminui a vitória estudantil que o espaço representa. As ações agora são para aprimorar o espaço.


“Recebemos com frequência relatos das dificuldades que os moradores passam, e como a expectativa da Casa do Estudante não foi atendida. Apesar disso, é uma vitória inicial que deve ser aprimorada junto com os estudantes”, ressalta Aila.


O movimento estudantil e os moradores buscam cobrar melhores condições de vida com as manifestações, bem como através dos espaços de representação institucional dos estudantes, como o Conselho Universitário da Unifap.


Segundo o diretor do Departamento de Ações Comunitárias e Estudantis (Dace) da Unifap, Melque Lima, órgão responsável pela Casa do Estudante, o espaço é protegido por uma empresa terceirizada que arcará com os gastos caso a segurança dos estudantes e seus pertences seja comprometida.

Melque Lima, diretor do Dace. Foto: Arquivo Pessoal.

“A Unifap não possui uma segurança humana para todos os moradores, mas possui um vigilante que irá ajudar na segurança da casa do estudante 24h. Se alguém entrar, furtar algo ou alguém, a empresa terceirizada arcará com isso, mas espero que isso não aconteça”, afirmou o diretor.


Sobre os auxílios, Melque Lima disse que os pagamentos estão em processos no Departamento de Finanças para liberação aos estudantes. Isso é feito conforme a entrada dos alunos na casa, por isso todos não recebem na mesma vez. O prazo para pagamento depende da liberação dos recursos pelo Ministério da Educação.


Uma vitória dos estudantes


A inauguração da Casa do Estudante Universitário foi o resultado de 10 anos de luta

política dos movimentos estudantis organizados. O espaço hoje recebe o nome em

homenagem à estudante Lua Carolina Costa de Oliveira, uma das principais militantes em prol desta inauguração.


O espaço conta com quartos para dois estudantes, bicicletas, ambiente de jogos, salas de estudo, refeitório, cozinha, vestiários, lavanderia e administração. Embora seja um prédio da universidade e fique localizado nas proximidades da instituição, não há vias para acesso à casa pelo Campus Marco Zero. Os estudantes precisam utilizar ruas fora do campus para chegar na unidade habitacional, o que coloca em risco a segurança dos moradores nesses deslocamentos.


Conforme o edital lançado pelo Dace, a Casa do Estudante disponibiliza 60 vagas, sendo 10% destinadas para a política de cotas afirmativas e 10% para mobilidade e cooperação técnica nacional e internacional. Nesta primeira seleção 38 vagas foram preenchidas.


*Matéria atualizada às 12h30 do dia 05/08/2023 para ajustes de informações.


Notícias relacionadas


*Reportagem elaborada na disciplina de Redação e Reportagem II, ministrada pelo professor Alan Milhomem.






0 comentário

Comments


bottom of page