top of page
  • Foto do escritorAGCom

Governador do Amapá pede ajuda do Ministério da Saúde para ações emergenciais do surto no Amapá

Por Cássia Lima


Gestores apresentaram prioridades e preocupações de curto a longo prazo para conter o surto gripal. Foto: Cássia Lima

A situação de emergência na saúde pública do Amapá decretada no último sábado, 13, motivou o Governo do Estado a pedir ajuda do Ministério da Saúde. O governador do Amapá, Clécio Luís, e equipe técnica, aliada com a bancada federal reuniram com a ministra da saúde, Nísia Trindade, sobre ações efetivas para conter o surto que o Estado enfrenta.


A grande preocupação do Estado é a identificar o surto de síndromes gripais e Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no público infantil que estão sobrecarregando o Hospital da Criança e do Adolescente (HCA) e Pronto Atendimento Infantil (PAI).


A audiência especial com a ministra contou com a da secretária de saúde Silvana Vedovelli, senador Randolfe Rodrigues, o representante do senador Davi Alcolumbre, Josiel Alcolumbre, Superintendente de Vigilância em Saúde (SVS) Margarete Gomes, a deputada federal Sonize Barbosa, o deputado federal Augusto Pupio, mais equipe técnica do Ministério da Saúde e Secretaria de Estado da Saúde.


Na pauta, o governador explanou as ações que o Amapá já executa e a ajuda que o ministério já ofertou, dentre elas, o envio de profissionais para analisar e orientar a epidemiologia e vigilância do Estado.


Governador do Amapá junto com a ministra de saúde, senador Randolfe, secretária de saúde e demais representantes do Amapá, em Brasília. Foto: Cássia Lima

Buscamos todo o apoio possível para ajudar o Amapá e principalmente ofertar mais qualidade no atendimento às crianças, principais afetadas pelo surto que enfrentamos. Estamos precisando de mais leitos de UTI”, enfatizou o governador.


A equipe técnica do Ministério se disponibilizou em ajudar com o envio de mais técnicos ao Amapá para gestão da emergência, acompanhemos inloco do diretor da vigilância em saúde do ministério, envio de médicos intensivistas e pediatras (além da realização de busca ativa nos estados do Amazonas e Maranhão), automação da análise de dados e emissão de boletins, ativação de UTI’s, fortalecimento da capacidade laboratorial, equipamentos, medicações e uma ampla campanha de vacinação junto aos municípios para incentivo e conhecimento do surto, assim como, medidas de contenção.


Além disso, o Ministério enfatizou a necessidade de uma mobilização ativa com envolvimento do Conselho Tutelar, vacinação em casa, envolvimento de igrejas e demais setores da sociedade para aumentar as taxas de vacinação em todo o território amapaense.


A ministra de saúde informou que já estava acompanhando a situação do Amapá, mas agora irá monitorar de perto com equipe em busca de ações efetivas e praticas para ajudar na emergência de saúde pública. “Eu já estava acompanhando com a minha equipe, mas agora estamos entrando com um apoio maior buscando juntos medidas eficientes para enfrentar esse surto no Amapá. O Ministério dará todo o apoio possível”, destacou a ministra.


Surto de síndromes gripais


Equipe técnica do Ministério da Saúde visita hospitais do Amapá. Foto: Cássia Lima

O Hospital da Criança e do Adolescente (HCA) registra superlotação da unidade de Pronto Atendimento Infantil (PAI). De acordo com a Superintendência de Vigilância em Saúde (SVS), o quadro é provocado pelo Vírus Sincicial Respiratório (VSR), agente causador de doenças como a bronquiolite, inflamação que dificulta a chegada do oxigênio aos pulmões. Também há casos de Influenza A e B e Covid-19.


"A suspeita inicial era de um período sazonal, mas os casos estavam muito acima do esperado. Precisamos, portanto, tomar medidas sanitárias imediatas. Vamos unir forças e fazer busca ativa para imunizar nossas crianças. O Estado vai fazer sua parte, mas é fundamental o papel da família e de toda a sociedade", declarou a secretária de Estado da Saúde, Silvana Vedovelli.


Desde o dia 1º de janeiro até o dia 6 de maio deste ano, o Amapá apresentou um aumento de 53,11% no número de casos de síndrome gripais, e 108,33% da forma mais grave da doença, se comparado ao mesmo período de 2022.


Até a última quinta-feira, 11, a rede hospitalar pública e privada registrava mais de 190 casos de internação, sendo 29 entubadas. Desses, 109 se concentravam no Hospital da Criança e do Adolescente (HCA) e Pronto Atendimento Infantil (PAI), com 22 crianças na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). A maioria dos pacientes possui idade entre 7 meses e 4 anos.


Ações


Uma das ações emergenciais inclui a entrega de 94 leitos clínicos no Hospital da Criança. Foto: Cássia Lima

Entre as ações imediatas adotadas pelo Estado, estão o aumento do número de leitos clínicos e de Tratamento Intensivo (UTI), reforço de oxigênio para as unidades de saúde, aumento dos plantões entre os profissionais de saúde, e a reativação do Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública (Coesp), com reforço da Associação dos Municípios (Ameap) e do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde (Cosems).


Uma das ações emergenciais inclui a entrega de 94 leitos clínicos no Hospital da Criança

Além do aumento de 85 para 155 leitos clínicos e mais a entrega nesta semana de 94 novas enfermarias do Hospital da Criança. De acordo com o governo, o próximo passo são ações voltadas para a vacinação, aumento de leitos de UTI e estrutura física de novas unidades.

0 comentário

Comments


bottom of page