• AGCom

Comunidade acadêmica tem atendimento psicológico acessível e gratuito na Unifap

Maria Silveira/AGCom


A Pró-reitoria de Extensão e Ações Comunitárias (PROEAC) oferece o serviço psicopedagógico e psicossocial para os acadêmicos, funcionando de segunda a sexta-feira das 7h30 às 19h30, com 12 horas de atendimento ininterrupto. O agendamento com psicólogos pode ser feito pelo próprio estudante, sendo necessários apenas o nome e o dia em que terá disponibilidade.


Foto: Maria Silveira

A PROEAC recebe demandas espontâneas, encaminhamentos de estudantes pelos professores e demanda interna, quando um aluno é assistido socialmente e precisa de algum atendimento psicológico.


Segundo pesquisas, as atuações de psicólogos, que realizam ações diretamente com os alunos do ensino superior, têm muito a ver com o rendimento escolar do acadêmico, culpabilização, vivências exteriores e sua permanência na universidade. Porém, o atendimento psicológico ajuda a diminuir os índices de evasão.


A aluna Maria Melissa, do curso de Relações Internacionais, soube do atendimento por meio das redes sociais e ficou surpresa com a facilidade do acesso ao serviço. “Fiquei nervosa antes de ir, não sabia que tipo de profissional iria encontrar, mas eles são muito gentis, não houve aquela pressão de estar num psicólogo e me encontrei confortável para falar tudo o que precisava”, desabafou, a estudante.


Atendimento especial


O Núcleo de Acessibilidade e Inclusão (NAI), vinculado à PROEAC, também oferece atendimento psicológico, porém seu público-alvo é a educação especial. O atendimento inclui serviços pedagógicos, psicopedagógicos e psicológicos.


Este ano, sendo o primeiro em que os processos seletivos tiveram o programa de cotas para pessoas com deficiência, o aluno é encaminhado por meio do Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (SIGAA), onde o coordenador do curso o cadastra e os funcionários do NAI podem chegar até este estudante.


Outra opção é o Serviço de Atendimento Psicopedagógico (SAP), vinculado ao NAI. É um projeto de pesquisa, coordenado pela doutora em psicologia Leila Feio, e busca atender alunos com deficiências, altas habilidades, hiperatividade, dislexia, autismo e com dificuldades emocionais, que interferem no desempenho e/ou no rendimento acadêmico.

0 comentário